domingo, 25 de abril de 2010

Preocupação com os jovens - A Igreja Messiânica e o Escotismo - Parte 1/3


O Revmo. Tetsuo Watanabe, presidente mundial da IMM - Igreja Messiânica Mundial - fala sobre a influência que a tecnologia exerce sobre a infância e a pré-adolescência, e destaca a última mensagem que Baden-Powell, o fundador do Escotismo, deixou para os seguidores do movimento.

Trechos tirados do texto publicado na Revista Izunome, número 21, outubro de 2009. Disponível em:
http://www.messianica.org.br/revista/Revista%20Izunome%2021/pag6a10.pdf

"Os pais devem, acima de tudo, tomar medidas para criar um ambiente adequado ao desenvolvimento psicológico dos filhos. Em primeiro lugar, vamos refletir sobre qual é o problema."

"Dentre as empresas que continuam lucrando, apesar de estarmos vivendo um momento de recessão mundial, estão os grandes fabricantes de jogos eletrônicos, os “games”. Este fato nos mostra que, quando falamos de lazer para jovens, os jogos de computadores estão entre os primeiros. Além deles, temos os computadores e os celulares. Aqui, o que os adultos devem considerar é a influência desses na psique e no cérebro infantil."

"E os filhos de vocês? Quando saem da escola vão direto para as aulas de reforço escolar e, ao chegarem em casa, ficam no próprio quarto grudados no computador ou nos games? E mesmo quando algum amiguinho vem brincar na casa de vocês, ficam os dois no quarto, cada um jogando seu game?"

"Sem sombra de dúvida, o mundo refletido na tela dos jogos é bastante atraente aos olhos de uma criança. Contudo, não se pode esperar que um jogo eletrônico de realidade virtual voltado para crianças, mas desenvolvido por um adulto, vá desenvolver o sentimento, a psique daquelas."

"Há algum tempo, um pesquisador criou a expressão “Game Brain” (“cérebro de jogo”), alertando para o risco que os games apresentavam. Entretanto, sua teoria foi rechaçada, tarjada de pseudociência por especialistas de outras áreas devido à falta de provas científicas."

"Eu não sou um neurocientista, mas acredito que devemos considerar seriamente o alerta feito por esse pesquisador. Está claro que as crianças que passam muito tempo jogando games, acabam tendo pouco tempo para se comunicar, para estar em contato com os pais, ou seja, há pouquíssimo tempo para o entendimento entre pais e fi lhos. Quando deixamos de sentir a vibração ou o sentimento que vêm do próximo, nosso coração se endurece e acabamos por achar que conversar com a família é algo que dá muito trabalho, que é cansativo e complicado."

"Os jogos eletrônicos não influenciam negativamente somente a psique, mas também o físico. O pescoço e os ombros das crianças ficam bastante enrijecidos. Como ficam olhando fixamente para a tela, acompanhando o movimento dos personagens dos jogos, a visão também piora e, naturalmente, os nervos também acabam em frangalhos."

"As crianças que ficam jogando até a hora de dormir não conseguem se livrar facilmente da tensão, custam a pegar no sono e acabam dormindo menos do que deveriam. Acredito que esse hábito lhes causa danos psicológicos, além de atrapalhar seu desenvolvimento físico."

"Se desejamos verdadeiramente que nossos filhos sejam felizes no futuro, devemos, a qualquer custo, diminuir o tempo em que eles passam absortos nos jogos eletrônicos e propor algo que substitua essa atividade e que lhes seja também enriquecedor."

Um comentário:

Magaly Xavier disse...

Adorei essa visão que vc apresentou, parabéns pelo blog. Seguirei vc.